Universidade da Beira Interior preenche 95,6% das vagas disponíveis

A Universidade da Beira Interior (UBI) obteve 1.278 colocações no Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior (CNAES) deste ano, número que corresponde a uma taxa de ocupação de 95,6 por cento das 1.337 vagas disponíveis.

  • Educação
  • Publicado: 2020-09-30
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

Segundo a informação enviada ao Diário Digital Castelo, o resultado da 1.ª Fase volta a colocar a UBI num patamar elevado no que respeita à preferência dos candidatos, alcançando o maior número de alunos colocados da sua história. No que se refere à taxa de ocupação de vagas, 2020 é o quarto ano consecutivo acima da fasquia dos 90%. Como consequência deste sucesso, ficaram completos 22 dos 31 cursos de 1.º Ciclo ou Mestrado Integrado.

“É uma grande satisfação o facto de termos tantos alunos a escolherem a Universidade da Beira Interior para fazerem os seus estudos superiores. A Universidade oferece uma formação de grande qualidade, eu penso que este número é o reconhecimento do serviço que temos prestado, da ciência que temos feito e da qualidade do nosso ensino”, destaca o Reitor da UBI. O responsável considera mesmo que "ser UBIano é uma marca que é reconhecida em Portugal e que os alunos gostam de vestir e têm orgulho nisso".

“Eu tenho andado pela Universidade e há uma certa adaptação por parte de todos. A questão da divisão das turmas quando as salas não comportam a totalidade dos elementos da turma já está a ser implementada”, revela António Fidalgo. O Reitor considera que “a Universidade respondeu muito bem à exigência que foi o encerramento das aulas presenciais a 16 de março e neste momento beneficiamos também dessa experiencia adquirida. E neste regresso à presencialidade não queremos perder também aquilo que de bom soubemos aprender, que é a aprendizagem e o ensino online”.

“Estes mais de 40 anos de Ensino Superior na Covilhã são um sucesso. Um sucesso de ter implementado a Universidade, de as pessoas se assumirem como UBIanos e isso, hoje em dia, é um dado adquirido e a Universidade tem que fazer o que sabe fazer bem, que é bem ensinar e bem investigar, salienta António Fidalgo.

À semelhança do que tem acontecido nos últimos Concursos, o Mestrado Integrado em Medicina tem a média de entrada mais alta. O último colocado neste curso tem a classificação de 18,3. Seguem-se o Mestrado Integrado em Aeronáutica com 17,2 e Ciência Política e Relações Internacionais com 15,9.

Outras notas relevantes que resultam do CNAES de 2020 são o curso de Engenharia Civil, que é agora uma Licenciatura, e que conseguiu inverter a ausência de colocados na 1.ª Fase dos últimos anos; e a nova licenciatura em Física e Aplicações, que consegue 8 colocados, com nota de candidatura acima de 12,7.

As matrículas dos novos alunos decorrem desde esta segunda-feira, 28 de setembro, e sexta-feira, 2 de outubro. Devido à situação de pandemia, a UBI recomenda que os estudantes procedam à matrícula através da plataforma online. Quem optar pelo modelo presencial deve ter em atenção o calendário de atendimento de cada curso. Todas as informações necessárias estão disponíveis na página “Novos Alunos”.

 

"Queremos celebrar a vinda dos alunos, logo que haja essa possibilidade"

Com as atividades habituais de boas-vindas aos novos alunos limitadas, fruto da situação de pandemia da Covid-19, o Reitor da UBI espera ver esta situação corrigida no futuro. “Queremos celebrar a vinda dos alunos, logo que haja a possibilidade de o fazermos. Vamos ver se teremos a bênção das pastas num ambiente totalmente normal. Vivemos tempos extraordinários e temos que nos comportar extraordinariamente”, reforça.

Para além das habituais cerimónias promovidas pela instituição, também muitas das atividades académicas promovidas pela Associação Académica da UBI estão suspensas. A praxe não é exceção, o que deixa António Fidalgo satisfeito. “A AAUBI penso que foi a primeira associação académica a declarar que este ano não haveria praxe, o que se entende dada a situação de pandemia que vivemos. Isso só abona a favor da Associação”.

Entretanto foi esta semana revelado o primeiro caso positivo de Covid-19 na UBI. Trata-se de um aluno de Doutoramento em Engenharia Aeronáutica, já devidamente isolado. O Reitor da UBI acredita que “obviamente que vão surgir outros casos ao longo do ano e o que devemos evitar ao máximo é o surgimento de surtos que sejam uma ameaça para a comunidade estudantil ou mesmo para a comunidade da cidade”, lembra.

“O que é fundamental é que os casos sejam identificados o mais rapidamente possível e que se tomem imediatamente ações de quarentena. Temos que ter atenção a estes casos e ter uma intervenção rápida, muito circunscrita, identificando bem os contactos. Por isso, é preciso que as pessoas se consciencializem que não podem andar a passar o vírus de uns para os outros, têm que se limitar a usar a máscara”, alerta António Fidalgo, que adianta: “estamos a trabalhar mesmo dentro da UBI em testes cujos resultados sejam conhecidos mais rapidamente”.

PUB

PUB

PUB

PUB