Universidade da Beira Interior desenvolve projeto para o Qatar

A Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, está a desenvolver um projeto de investigação, financiado pelo Qatar, para a adoção de soluções inovadoras no setor da construção, com materiais sustentáveis, obtidos com resíduos e CO2.

  • Educação
  • Publicado: 2021-04-23
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

Em nota de imprensa enviada ao Diário Digital Castelo Branco, aquela instituição de ensino superior do distrito de Castelo Branco explica que o projeto pretende "encorajar mudanças na indústria da construção", aplicando uma tecnologia desenvolvida na UBI para que sejam usadas soluções inovadoras de captura e utilização de carbono na produção de materiais sustentáveis, obtidos com resíduos e CO2.

"No âmbito do projeto, a tecnologia DARKCO2, desenvolvida na UBI, será aplicada à escala industrial no Qatar, em colaboração com a indústria local, para produzir betão "eCO2CRETE", obtido com resíduos carbonatados, com a capacidade de capturar mais CO2 do ambiente circundante, durante a sua vida útil", refere.

Com a denominação "eCO2CRETE Environment-friendly concrete for the capture of CO2 in the built environment", o projeto tem como líder científico João Castro Gomes, docente e investigador do Departamento de Arquitetura e Engenharia Civil, e conta com a participação de vários estudantes de doutoramento em Engenharia Civil da UBI.

O projeto será financiado pelo "Qatar National Research Fund" num valor total de 700 mil dólares, com um financiamento para a UBI no valor de 194 mil dólares.

É ainda cofinanciado e apoiado pelo Ministry of Municipality and Environment of Qatar, pela Qatar Shell Research & Technology Centre, pela Readymix Qatar, pela SMEET Precast, pela Qatar Paving Stones, e pela VALMAB - Portugal.

A nota ressalva que o Qatar tem a terceira maior reserva de gás natural e que é o maior emissor de CO2 ‘per capita’ do mundo, pelo que "a implementação desta tecnologia no âmbito da infraestrutura irá compensar significativamente as elevadas emissões de carbono resultantes da produção de gás, através da sua captura e utilização em produtos de construção".

"Se este projeto for bem-sucedido, terá um benefício significativo no Qatar, permitindo a valorização e a redução das emissões de CO2, ao mesmo tempo que produz produtos de construção de valor acrescentado, reutilizando resíduos e subprodutos e, com isso, contribuindo para a economia circular em vários setores industriais, bem como a proteção do ambiente", explica João Castro Gomes, citado no comunicado da UBI.

O envolvimento de João Castro Gomes vem na sequência do trabalho que o docente da UBI tem realizado neste campo, designadamente como coordenador do C-MADE - Centro de Materiais e Tecnologias Construtivas, Unidade de I&D financiada pela FCT, onde é desenvolvida investigação em materiais de construção amigos do ambiente, sem utilização de água, e absorventes de CO2, para valorizar o CO2 e mitigar os efeitos das alterações climáticas.

No Qatar, em Doha, o projeto será coordenado por Mohammed ben Said Al-Kuawri, diretor do Instituto de Estudos Ambientais e Municipais do Ministério do Ambiente e Municípios do Qatar, e Khaled Hassan, responsável pela empresa IRD (Infrastructure Research & Development) sediada no Qatar Science and Technology Park.

PUB

PUB

PUB

PUB