Legislativas: PS e AD debateram novas soluções para Castelo Branco

No debate promovido pela Rádio Observador, este sábado, 10 de Fevereiro, Nuno Fazenda (PS) e Liliana Reis trocaram acusações sobre a isenção das SCUT no interior com o PSD a acusar o PS de usar o Orçamento de Estado (OE) para "eleitoralismo"

  • Região
  • Publicado: 2024-02-11 09:20
  • Por: Diário Digital Castelo Branco

No debate promovido pela Rádio Observador entre os cabeças de lista ao circulo eleitoral de Castelo Branco, a isenção de portagens nas SCUT foi o que motivou maior troca de acusações, com a cabeça de lista da Aliança Democrática, Liliana Reis a acusar o PS de estar a usar o Orçamento do Estado para fins eleitorais. Nuno Fazenda, o cabeça de lista dos socialista, responde com “ação, ação e ação. Sem diagnósticos, já no terreno, a executar”.

Depois de Pedro Nuno Santos ter prometido o fim das portagens nas SCUT do interior, Nuno Fazenda atirou à AD ao dizer que “o compromisso era claro: continuar a promover a redução dos custos das portagens. Prometemos e cumprimos. Reduzimos em 65% face a 2011” e justifica a isenção total ter chegado só agora devido a um “novo contexto”, criticando “a reação de incómodo do PSD“.

Para a cabeça de lista da AD, Liliana Reis, “as contas certas e o excedente não se verificaram na eliminação das portagens” e acusa o PS de querer avançar com a isenção apenas nos troços “que abrangem mais eleitorado“. Para a coligação liderada pelo PSD a estratégia passa por uma “redução gradual e progressiva” para “eliminar os custos de contexto”.

Liliana Reis estranha que “as boas noticias para o interior só surjam neste quadro eleitoral”, acrescentando que “este Orçamento do Estado está a servir para fazer campanha eleitoral”. Nuno Fazenda garante que não e defende o trabalho do PS na beira baixa incluindo na promoção do turismo no interior — setor do qual é o atual secretário de Estado. Para o candidato socialista, “o crescimento foi assente nas empresas, nos trabalhadores mas também nas políticas públicas que permitiram esse crescimento”, concordando com a estratégia de Pedro Nuno Santos de segmentar as apostas estratégicas do Estado na economia.

Para a AD a economia “está muito alicerçada no Estado” e critica a “terceirização do setor produtivo” na região que diz terem “reflexo nas manifestações dos agricultores e em vários empresários ligados à indústria produtiva”. O candidato socialista rebate com “a concretização, a fase da ação”, que diz que o Governo já implementou nas promessas para a região e critica a “teorização e os diagnósticos” da AD.

PUB

PUB

PUB

PUB