2022: Motociclos com motor abaixo dos 125 centímetros cúbicos não vão à inspeção periódica

A partir de Janeiro de 2022 a inspeção passará a ser obrigatória para todos as motas de cilindrada acima dos 125 cc, triciclos e quadriciclos a partir dos 250 cc.

  • País
  • Publicado: 2021-12-23 16:07
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

Perto de meio milhão de motas vão ter de ir à inspeção periódica, já a partir de janeiro. Há anos que se falava nisto, a decisão estava tomada mas nunca houve condições para a implementar. Os centros de inspeção que existem para viaturas de quatro rodas não serviam para aquilo que se pretende fazer com as motas, mas todos eles já foram adaptados para inspecionar motas.

Os chamados “bacalhaus”, motorizadas até 110 cc ou menos, ficam de fora, embora sejam considerados por quem anda de mota como um perigo público. São veículos pouco equipados com sistemas de segurança e, por isso, mais perigosos em muitos aspetos, embora não atinjam as velocidades dos restantes.

Assim, a primeira inspeção deverá ser feita após a mota completar 4 anos de matrícula. As inspeções seguintes serão de 2 em 2 anos, até a mota cumprir 8 anos de vida. A partir daqui a inspeção será anual. Os pontos a inspecionar são a travagem, iluminação, direção, rodas, suspensão e visibilidade. Nas moto 4 haverá ainda uma verificação ao quadro.

Os motociclistas já se manifestaram diversas vezes contra esta medida, que consideram inútil se a intenção for a diminuição dos acidentes com veículos de duas rodas. Quem anda de mota, sabe bem que uma boa percentagem dos acidentes acontece por falta de formação cívica dos automobilistas, outra parte deve-se à condução perigosa do próprio motociclista. Acidentes de mota por defeitos mecânicos serão pouquíssimos.

PUB

PUB

PUB

PUB