Covid-19/Fundão: Câmara prepara chegada dos emigrantes com sensibilização e acesso a testes

A Câmara Municipal do Fundão está a preparar a chegada dos emigrantes com a promoção de ações de sensibilização e a distribuição de testes rápidos nas juntas de freguesia para uma despistagem mais rápida de eventuais casos de Covid-19.

  • Região
  • Publicado: 2021-07-24 00:00
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

“Os nossos emigrantes são muitíssimo bem-vindos, mas a pandemia ainda não passou e, dentro da nossa responsabilidade institucional, vamos fazer algumas ações de sensibilização no sentido de apelarmos à manutenção das precauções e cuidados para que este momento de grande satisfação de reunião das nossas famílias com a diáspora se proceda com o menor risco possível”, afirmou em declarações à agência Lusa o presidente desta autarquia do distrito de Castelo Branco, Paulo Fernandes.

Segundo acrescentou, em articulação com a entidade de saúde, o município também vai distribuir testes rápidos nas extensões de saúde e nas juntas de freguesia para que qualquer pessoa possa ter acesso a essa ferramenta e, assim, poder agir em conformidade mais rapidamente.

“Vamos colocar e distribuir testes às nossas freguesias para que as pessoas possam à mínima suspeita agir. Sabemos bem que nem todas as nossas freguesias têm serviço de farmácia e não queremos que isso seja um impedimento para que se possa fazer um despiste rápido e, a partir daí, seguir ou não para a alçada da Saúde”.

Além disso, tal como no ano passado, o município também não autoriza a realização de arraiais e festas populares, que normalmente contribuem para que as pessoas se juntem em grupo.

“Vamos ter estas três vertentes e, claro, reiteramos o apelo para se sigam todos os cuidados, dentro do que é a responsabilidade de cada um para protegermos a comunidade”, acrescentou.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.139.040 mortos em todo o mundo, entre mais de 192,5 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.

Em Portugal, desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram 17.264 pessoas e foram registados 947.038 casos de infeção, segundo a Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

PUB

PUB

PUB

PUB