Gonçalo Salvado grava poema em espanhol dito pela poetisa mexicana Leticia Luna

Uma gravação de um poema de Gonçalo Salvado, traduzido para o espanhol, dito pela poetisa mexicana Leticia Luna vai ser editada em formato vídeo, com fundo musical composto pelo músico e pianista de Jazz, com raízes albicastrenses, Jorge Valente (n.1948) em colaboração com o músico Carlos Santos.

  • Cultura
  • Publicado: 2021-04-07
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

O poema foi traduzido para o espanhol, por sugestão de Leticia Luna, pelo conceituado poeta e tradutor mexicano, Víctor Sosa, recentemente falecido.   

Leticia Luna é uma das mais relevantes poetas mulheres do México da atualidade e figura proeminente da cultura deste país ocupando, desde 2019, o cargo de Coordenadora Nacional de Literatura do Instituto Nacional de Belas Artes e Literatura do México. Além de poeta, é ensaísta e editora. 

O poema dito por Leticia Luna, pertence ao mais recente livro de Gonçalo Salvado, publicado em original formato de livro/garrafa, Do Teu Beijo, O Vinho – o beijo e o vinho na poesia de Gonçalo Salvado – Homenagem a Consuelo Velásquez, ilustrado pelo artista albicastrense Ambrósio Ferreira e com texto de abertura de Maria João Fernandes. O livro e o vídeo são uma edição da Lumen e da Livraria Sá da Costa Editora, de Lisboa, em parceria com a Quinta dos Termos. O editor é Ricardo Paulouro.

O livro apresenta uma seleção de poemas de Gonçalo Salvado, com o tema do beijo, em sua maioria com referência ao vinho, recolhidos de dezasseis livros de poesia publicados pelo autor, e pretende constituir-se como uma homenagem a Consuelo Velásquez Torres (México, 1916 – 2005), histórica pianista e  compositora mexicana, autora do célebre bolero “Bésame Mucho” (1941), considerado a mais importante canção de amor da música popular do séc. XX, a nível mundial.  

O vídeo concebido para acompanhar a apresentação do livro  terá a sua estreia no “Dia Mundial do Beijo”, a 13 de Abril de 2021, terça-feira, e será transmitido, via internet, na rede social facebook, pelas 20 horas, na página de partilha de poesia: Quem Lê Sophia de Mello Breyner coordenada por Lília Tavares e Carlos Campos, uma das que mais público tem em Portugal, contando cerca de 97 mil seguidores.

De referir que não é a primeira vez que Leticia Luna, em cuja poesia o amor e o erotismo ocupam um lugar de destaque, surge relacionada com a obra poética de Gonçalo Salvado. Em 2009, G. S. abriu o seu livro de poesia Duplo Esplendor,  ilustrado pelo artista mestre Manuel Cargaleiro e prefaciado por Maria João Fernandes (Editorial Afrontamento, Porto, 2009) com uma epígrafe de um poema de Letícia Luna, em jeito de homenagem a esta poetisa latino-americana de referência. Recorde-se que este livro de Gonçalo Salvado foi destacado pelo jornal Diário de Notícias como um dos quatro melhores livros de poesia de 2009. 

De referir também que Letícia Luna esteve em Portugal, em 2013, numa sessão dedicada à sua poesia, organizada pela Casa da América Latina, de Lisboa. 

De lembrar que este vídeo é o terceiro que se edita contendo poesia de Gonçalo Salvado. O primeiro, de 2016, intitulado Cânticos dos Cânticos, reproduz uma gravação de um excerto do livro de poesia de G.S, inspirado no célebre poema bíblico do amor, dito pelo autor, com desenhos do escultor João Cutileiro que ilustram a obra. Uma segunda versão do conteúdo deste vídeo, sem as imagens de Cutileiro, foi publicada em formato de bookmovie na Fonoteca Española de Poesía Contemporánea, em Espanha, em 2020.

 O segundo vídeo, editado em 2020, reproduz uma gravação de poemas de G.S do seu livro O Que a Primavera Faz Com as Cerejeiras (cujo título reproduz um célebre verso de Pablo Neruda) ditos pela atriz Maria Emília Castanheira, com fundo musical de Pedro Castanheira, e contou com a colaboração da Fundação José Rodrigues. O vídeo reproduz também desenhos do escultor José Rodrigues, presentes na obra e um retrato fotográfico de Carolina Gil, jovem bailarina portuguesa, que faleceu vítima de cancro, tendo esta expressado como último desejo que, após a cremação, as cinzas do seu corpo se viessem a tornar numa cerejeira. O livro e o vídeo são-lhe dedicados e foram concebidos em sua homenagem. A estreia deste vídeo ocorreu, via internet, na rede social facebook, na página de partilha de poesia: Quem Lê Sophia de Mello Breyner tendo tido uma receção muito positiva por parte do grande público.

PUB

PUB

PUB

PUB