Ródão: "Ficheiros Secretos" na Casa de Artes e Cultura do Tejo no próximo sábado

Trata-se de “um monólogo em que sou um narrador das histórias e dos fantasmas de um país que amamos e, tantas vezes, desprezamos”, o espetáculo leva-nos numa viagem pela “história do país, do que somos, do que sonhamos, também do que tememos”, explica Luís Osório, nome associado ao jornalismo, aos livros e à comunicação.

  • Cultura
  • Publicado: 2023-01-23 19:43
  • Por: Diário Digital Castelo Branco

A proposta agora apresentada ao público surge no seguimento do livro “Ficheiros Secretos - Histórias nunca contadas da política e da sociedade portuguesas”, uma coletânea de crónicas lançada em 2021, na qual Luís Osório responde ao desafio do editor Rui Couceiro e reúne um conjunto de estórias baseadas em conversas informais, trabalhos profissionais, encontros e acasos com figuras marcantes da História do país e se assume como “uma excelente definição do país que somos – um Portugal feito de personagens, desencontros e paradoxos”.

Nascido em Lisboa, em 1971, Luís Osório dirigiu jornais e uma estação de rádio, imaginou programas de televisão, realizou documentários, encenou uma peça de teatro e foi premiado como jornalista e criativo. Tem oito livros publicados, de entre os quais “A queda de um homem” (2017), “30 Portugueses, 1 País” (2019) ou “Ficheiros Secretos - Histórias nunca contadas da política e da sociedade portuguesas” (2021).

PUB

PUB

PUB

PUB