Humor como mecanismo de resistência

"O poder intelectual de um homem é medido 

  pela dose de humor que ele é capaz de usar” 

Friedrich Nietzsche 

  • Opinião
  • Publicado: 2022-09-04 06:34
  • Por: Lisandro Prieto Femenía

Hoje gostaríamos de compartilhar uma breve reflexão sobre o senso de humor como um aspecto estritamente digressivo, transgressor e poderosamente libertador do ser humano, ou seja, a capacidade de sentir e gerar humor. Bem sabemos que a etimologia da palavra refere-se em latim a "humoris", que significa umidade ou propriedade líquida, referindo-se também à torrente que atravessa os poros de uma superfície. Como podemos ver, desde sua origem etimológica, a palavra está nos indicando que é algo que vaza incontrolavelmente apesar de qualquer tipo de resistência física que tente retê-la. 

Em sua obra "O mundo como vontade e representação", o filósofo alemão Arthur Schopenhauer (1788-1860) interpreta que o riso é fruto do humor que contempla gentilmente as inconsistências e inconsistências de uma existência aparentemente absurda. Em outras palavras, o que nosso autor quer nos dizer é que a única maneira de fazer as pessoas rirem ou sentirem a alegria do riso é colocando algo onde não deveria estar. Essa inconsistência entre o conceito e o objeto real provoca um abalo típico do comportamento normal de uma mente que se encontra quase permanentemente acomodando tudo na ideia fictícia de equilíbrio entre pensamento e realidade. A graça, então, nasce da falsidade das premissas de nossos silogismos mentais. Um exemplo disso é descrito pelo pensador Alejandro Dolina, que sustenta que o que torna "engraçado" a explosão de uma pirotecnia não é a explosão em si, mas o fato de ela ser proibida em certos contextos: é muito mais divertido explodir uma fogos de artifício em um tribunal ou uma faculdade de notários do que em um estádio de futebol. Ou, nos termos refinados de Schopenhauer:

 

“Os cavalos têm quatro patas. 

Minha mesa de sinuca tem quatro pernas. 

Minha mesa de sinuca é um cavalo.” 

 

Aconteceu a todos nós diariamente cairmos na gargalhada simplesmente por causa da inclusão (ilógica) de uma coisa em um conceito ou contexto ao qual ela não pertence. Aparentemente, nossa mente tem a tendência de ordenar objetos e conceitos por categorias que nos são familiares até que apareça um objeto que, não estando "onde deveria" (absurdo) provoca o riso: o exemplo clássico disso é a incursão do cachorro da vizinhança no meio da missa, fazendo algumas de suas funções naturais ao lado do clérigo no altar enquanto o acólito tenta desesperadamente e medidamente detê-lo, tentando, em vão, não deixar ninguém perceber.

Agora, o que acontece quando você vive em tempos em que não é permitido translocar objetos do lugar? Em outras palavras, você pode fazer humor de qualquer coisa a qualquer momento? Obviamente não. Cada época está desenvolvendo suas regras discursivas e seus decálogos do politicamente correto, abrindo uma margem de ação tanto para quem vive fazendo rir, quanto para simples cidadãos, que devem ser atualizados (e cada vez mais) como dispositivo móvel com capacidade de memória limitada.

Justamente por isso trazemos o humor à discussão e à reflexão como elemento que tenta romper a ordem estabelecida, não por maldade ou rebelião revolucionária, mas como uma necessidade vital. Nesse sentido, outro filósofo alemão (aparentemente os alemães não têm fama de serem muito engraçados, mas são bons em teorizar sobre isso), Friedrich Nietzsche (1844-1900) concentrou-se no impacto do humor e não tanto na sua origem ou definição. De acordo com suas posições teóricas, é compreensível que, no quadro de uma existência humana atravessada por todo tipo de sofrimento trágico, o riso seja uma espécie de mecanismo de compensação para suportar o que a vida acarreta em sua tragédia constitutiva. Nesse caso, o riso é uma ferramenta, uma arma, criada pelo próprio homem para não cair no abismo do choro e da tristeza. Se analisarmos brevemente, podemos concordar que em um mundo que nos dá mais motivos para chorar do que para rir, rir é, sem dúvida, o ato de resistência mais poderoso para contrariar o bombardeio incessante que ameaça permanentemente a felicidade.

Você tem alguma dúvida de que a alegria e o entusiasmo são punidos diariamente? O que Nietzsche tenta nos deixar com um pensamento poderoso: rir da feiúra da decadência moral em que estamos imersos nos dá um poder, que não é menor, pois poder nos libertar das cadeias de um regime que corrói permanentemente o A função catártica da arte e suas manifestações de dispensar alegria à vida é, sem dúvida, um ato de rebeldia sobre o qual todos devemos trabalhar para torná-lo um hábito.

Em outras palavras, mover-se pela vida com alegria e verdadeiro entusiasmo representa uma ameaça a todo um sistema de existência estruturado para se ofender ao perceber um pingo de alegria em alguém. Seguindo esse fio interpretativo, não é desarrazoado pensar que a alegria é profundamente intimidante, pois é um gesto entusiástico que não se deixa desligar por um mundo que constantemente tenta reprimi-la. Experimente: mostre-se feliz, alegre, entusiasmado em qualquer contexto que não seja uma celebração: imediatamente alguém lhe dirá que o que você faz é completamente "inapropriado".

E sim, é inadequado porque é incongruente com o "politicamente correto" estabelecido e difundido. Outro exemplo prático disso é observar as situações cômicas que ocorrem em um estabelecimento de velório. O contexto é, obviamente, um lugar predisposto para que uma situação sombria ocorra de acordo com certas diretrizes que permitem e proíbem: é permitido chorar, soluçar e até desmaiar; Contar uma piada suja e todo mundo rindo alto, naquele ambiente, seria considerado uma grosseria repreensível. Mesmo assim, e eu realmente não sei bem o motivo, nunca, mas nunca falta o membro da família ou amigo de longa data que conta uma piada e causa uma reação em cadeia de tosse maciça de riso reprimido naquele quarto escuro que produz um eco que sem ajuda. Por que isso está acontecendo?

E sim, é inadequado porque é incongruente com o "politicamente correto" estabelecido e difundido. Outro exemplo prático disso é observar as situações cômicas que ocorrem em um estabelecimento de velório. O contexto é, obviamente, um lugar predisposto para que uma situação sombria ocorra de acordo com certas diretrizes que permitem e proíbem: é permitido chorar, soluçar e até desmaiar; Contar uma piada suja e todo mundo rindo alto, naquele ambiente, seria considerado uma grosseria repreensível. Mesmo assim, e eu realmente não sei bem o motivo, nunca, mas nunca falta o membro da família ou amigo de longa data que conta uma piada e causa uma reação em cadeia de tosse maciça de riso reprimido naquele quarto escuro que produz um eco Isso não ajuda. Por que isso acontece? O que aconteceu conosco, então, desde a pureza do nosso “espírito livre” típico da infância, até hoje? Ou, em outras palavras, como perdemos o entusiasmo por viver e nos tornamos essas máquinas permanentes de estresse? Não é fácil responder a isso em um breve artigo de reflexão, mas vamos tentar ver através de um olho mágico um esboço de uma resposta. Basta ver, ouvir, vivenciar e analisar o que acontece com as crianças: quando você ouviu uma criança de seis a dez anos dizer que quando crescer quer ser advogado, contador ou CEO de uma empresa internacional de telecomunicações? Algum de vocês, aos sete anos de idade, sonhava em ser o que é hoje?

Quem puder responder sim, envio aqui meus mais afetuosos parabéns. Para aqueles que não podem responder afirmativamente, resta o desafio de pensar nossa existência em termos de resistência, não no estilo do Smurf rabugento, mas como tentamos expressar aqui: hoje ser feliz, verdadeiramente e autenticamente feliz, é resistir aos ataques intencionais de um modo de vida imposto que atinge diretamente nossos piores e deprimentes instintos precisamente porque uma pessoa entusiasmada é perfeitamente conhecida por ser imprudente. Sejamos dignos de ser considerados "inimigos" no "mercado de pulgas" da vida, em que uma pílula para dormir é muito mais barata que um bom pacote de café revitalizante.

PUB

PUB

PUB

PUB