Castelo Branco: Social In de 19 a 22 de abril na Biblioteca Municipal

A terceira edição da Feira Social In – Feira de Economia Social da Região de Castelo Branco, que decorre de 19 a 22 de abril, no Centro Cívico e na Biblioteca Municipal de Castelo Branco, promovida pela Amato Lusitano – Associação de Desenvolvimento, contando na organização com a Câmara de Castelo Branco, o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP),  o Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB), o Centro de Empresas Inovadoras (CEI) de Castelo Branco, a Associação Empresrial da Beira Baixa (AEBB) e a ACICB – Associação Comercial e Empresarial da Beira Baixa.

  • Região
  • Publicado: 2018-04-10 18:15:06

A terceira edição da Feira Social In – Feira de Economia Social da Região de Castelo Branco, que decorre de 19 a 22 de abril, no Centro Cívico e na Biblioteca Municipal de Castelo Branco, promovida pela Amato Lusitano – Associação de Desenvolvimento, contando na organização com a Câmara de Castelo Branco, o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP),  o Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB), o Centro de Empresas Inovadoras (CEI) de Castelo Branco, a Associação Empresrial da Beira Baixa (AEBB) e a ACICB – Associação Comercial e Empresarial da Beira Baixa.

Na apresentação, o vice-presidente da Câmara de Castelo Branco, José Alves, começou por realçar o “êxito” das duas edições anteriores, para “agradecer o desafio de organizar a Feira”.

José Alves considerou que a Feira é importante por “mostrar o que de bom fazemos na nossa região” e adiantou que “esta edição é mais virada para as instituições”, que vê como “geradoras de emprego na nossa região” e concluiu que “é um privilégio ter instituições como estas, orientadas para aqueles que mais precisam”.

Por seu lado, o presidente da Amato Lusitano, Arnaldo Brás, confessou que “temos a certeza que esta edição vai ser um sucesso. Basta olhar para este grupo de parceiros”, revelando, no entanto, que “se não fosse a Câmara, a Amato Lusitano dificilmente poderia desenvolver os projetos que tem desenvolvido e estão em curso”.

Amato Lusitano, que recorda Arnaldo Brás, comemora este ano o 20º aniversário, que será assinalado no decorrer do certame.

Arnaldo Brás, defendo que “a Feira já marca um espaço, já criou uma marca”,  realçou ainda que “esta é a última Feira Social IN deste contrato de Contrato Local de Desenvolvimento Social (CLDS)”, mas assegura que a iniciativa “terá continuidade”.

O diretor da segurança Social do Distrito de Castelo Branco, Melo Bernardo, começou por afirmar que “só é possível realizar a Feira com o apoio de todos” e com os olhos no setor social adiantou vários números como, por exemplo, que a Segurança Social investe “12 milhões de euros no Concelho, envolvendo no Concelho de Castelo Branco 1.550 trabalhadores, número que sobe para 5.500 no Distrito”.

Melo Bernardo, entre outros, adiantou que no Concelho de Castelo Branco existem 37 instituições particulares de solidariedade social (IPSS), totalizando 160 no Distrito”.

Às IPSS, como realça, há ainda a juntar as instituições privadas, o que o leva a concluir que tudo somado, “o setor social, no Concelho de Castelo Branco envolve uma verba de 24 a 25 milhões de euros”.

Já para o presidente eleito do IPCB, António Fernandes, não resta dúvida que “o conhecimento das instituições é cada vez maior”, o que considera importante “para cada uma desenvolver cada vez mais ativamente o seu papel”.

O diretor do Centro de Emprego e Formação Profissional de Castelo Branco, do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP),  Leopoldo Rodrigues, começou por referir que “somos um parceiro desde o início”, para de seguida avançar que “o setor social é um setor extremamente importante. É um setor de grande empregabilidade e cria um emprego bastante estável”. Tudo, para concluir que a feira “é uma boa mostra do que fazem as instituições”.

O presidente da AEBB, José Gameiro, fez questão de deixar claro que “não há economia sem pessoas, sem empresas” para , em relação ao futuro da Feira levantar a possibilidade desta “continuar como um fórum”.

Isto enquanto Dário Falcão, do CEI, destacou que “o empreendedorismo faz parte do nosso ecossistema” e sublinhar que “a Feira tem um crescendo muito significativo”.

Sérgio Bento, da ACICB, acrescentou que “a parte social é fundamental”.

O programa da Feira começa dia 19, às 10 horas, com a sessão de abertura, sendo que a partir das 11 horas decorrer o seminário de abertura, subordinado ao tema Criar impacto com a Inovação Social, moderado por Afonso Mendonça Pais, da Mentes Empreendedoras, e que conta com a participação de Karim Merali, da Aga Khan Foundation; Pedro Ricardo Gomes, da Montepio Social Tech; Jorge Pios, das Hortas Sociais, Quinta do Chinco; João Galveira, da GEOFundos; e Vítor Simões, da 4change.

A partir das 15 horas é apresentado Casos de Sucesso – O Empreendedorismo & Inovação Social em ação, moderado por Frederico Cruzeiro Costa, da Agência de Empreendedores Sociais, contando comas intervenções de Ângelo Campota, de A Avó Veio Trabalhar; Hugo Menino Aguiar, do projeto SPEAK; Celmira macedo, da Associação LEQUE – Ekui Cards; Joana Maia, da Tagus Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Interior; Ana Reis, da Hokkaido Healthy Living, e Maria Manuel Valentim, da Coração Delta.

Para as 17 horas está marcada a sessão de encerramento,  que conta com a presença do ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social, José Vieira da Silva.

PUB

PUB

PUB

PUB