Judo/Castelo Branco: Escola Ana Hormigo contesta decisões da FPJ sobre Adriana Torres

A Escola de Judo Ana Hormigo emitiu um comunicado no qual contesta publicamente as decisões que forma tomadas pela FPJ – Federação Portuguesa de Judo sobre as convocatórias para as provas internacionais FOJE – Festival Olímpico da Juventude Europeia 2022 e Campeonato do Mundo de Cadetes 2022 que não incluíram a atleta albicastrense Adriana Torres.

  • Desporto
  • Publicado: 2022-08-15 16:50
  • Por: Diário Digital Castelo Branco

Comunicado

Como Clube da Judoca Adriana Torres, atleta Cadete, tricampeã nacional neste escalão (2020, 2021 e 2022) e medalha de Bronze no Campeonato Nacional Júnior 2022, vimos por este meio expor a seguinte situação que nos causa certa indignação e revolta:

A Judoca Adriana Torres com toda a legitimidade pelo título nacional conquistado em 2022, foi convocada pela Federação Portuguesa de Judo para três Taças da Europa de Cadetes e participou a Expensas Próprias tal como todos os outros atletas portugueses na Taça da Europa de Coimbra, com os respetivos Estágios Internacionais tendo alcançado os seguintes resultados desportivos:

 

A Judoca respondeu positivamente com os resultados desportivos de relevo e garantiu os designados mínimos para o Campeonato da Europa de Cadetes que se realizou em Porec (Croácia) onde realizou 2 combates (1 vitória e 1 derrota), dado ter sofrido uma lesão (entorse no pé) no último combate, a Adriana não pode participar na competição por equipas onde iria competir na categoria

+63kg. No seu regresso e depois de ser vista no hospital já em Lisboa, o médico que a observou sugeriu repouso por uma semana, utilizando canadianas. Nessa semana tirou férias merecidas com os seus pais, dado ter tido uma época desgastante tanto no Judo como na escola. O esforço da atleta foi, não só desportivo, mas também académico, tendo obtido excelentes notas (média de 18 valores) mesmo com mais de quatro dezenas de faltas justificadas a cada disciplina pela representação desportiva a nível nacional (em estágios) e internacional.

A Adriana Torres, ficou fora da convocatória do Festival Olímpico da Juventude Europeia 2022 (FOJE) e do Campeonato do Mundo de Cadetes 2022. Mesmo após argumentações dos treinadores de Clube à Federação Portuguesa de Judo, a sua não inclusão manteve-se.

Os pais da Adriana Torres, também solicitaram esclarecimento à Federação Portuguesa de Judo pela sua não inclusão na convocatória do FOJE, até porque são eles que assinam o Contrato- Programa de Alto rendimento existente entre a Federação Portuguesa de Judo, o Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ) e a menor Adriana Torres.

Mesmo sem sucesso e com a justificação que a judoca estaria a “debelar lesões” há demasiado tempo, esta situação foi exposta ao Comité Olímpico de Portugal e IPDJ.

Não havendo mais nada a argumentar, apenas nos resta deixar um quadro que sintetiza os resultados da Equipa Nacional de Cadetes participantes no circuito internacional do escalão e a inclusão dos mesmos nas convocatórias da FPJ.

A saber-se e passo a citar “A FPJ, sem abdicar do rigor e da qualidade que, acreditamos, devem envolver um Modelo de Desenvolvimento deste tipo, considera a obtenção de resultados desportivos de mérito e a participação nos Jogos Olímpicos uma prioridade”. Como descrito no Ponto Prévio do Regulamento e Modelo do Judo de Alto Rendimento e Seleções Nacionais 2022_24.

PUB

PUB

PUB

PUB