Ródão: Biblioteca Municipal expõe aguarelas “Pelos Traços do Tempo” até 30 de setembro

A Biblioteca Municipal José Baptista Martins (BMJM), em Vila Velha de Ródão, recebeu no dia 28 de maio a apresentação do livro “Pelos Traços do Tempo”, uma obra que reúne aguarelas de Maria do Rosário Maia e integra a coleção Rebuscar o Tempo do projeto Vidas e Memórias de uma Comunidade.

  • Cultura
  • Publicado: 2021-06-14 00:00
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

A ocasião coincidiu com a inauguração da exposição com o mesmo nome, que mostra as aguarelas originais da artista presentes na obra. 

Segundo informação a que o Diário Digital Castelo Branco teve acesso, trata-se de um conjunto de 44 aguarelas que revelam uma apuradíssima técnica e o olhar atento de Maria do Rosário Maia à beleza das coisas simples e nos trazem recortes e cenários de várias localidades do concelho de Vila Velha de Ródão.

A iniciativa contou com a presença do presidente do Município de Vila Velha de Ródão, Luís Pereira, que agradeceu “o enriquecimento patrimonial que resulta desta viagem do olhar da aguarelista e o trabalho que a BMJM tem desenvolvido em prol da valorização do património imaterial do concelho”. 

Também Maria do Rosário Maia deixou um agradecimento ao Município e à BMJM, assim como aos membros do Clube de Leitura de Autores Clássicos que, num gesto de cidadania cultural louvável, se associaram à organização da iniciativa e nela participaram através da leitura de textos.

A visita guiada à exposição revelou-se assim um diálogo a muitas vozes, no qual a descoberta patrimonial da paisagem natural e humanizada de Ródão, pintada por Rosário Maia, recebeu ecos do livro “Viagem a Itália”, de Goethe, e a companhia solidária de sua filha, Filipa Duarte de Almeida, que escreveu à mãe uma Carta do Gabão, onde se encontra a desenvolver um doutoramento sobre o Bwété Misôkô. 

Patente até 30 de setembro, na BMJM, esta mostra oferece ainda ao visitante a possibilidade de contactar com outras superfícies dialogantes, como o documentário sobre a arquitetura de Eduardo Souto Moura de Thom Andersen, intitulado “Reconversão”, ou a leitura do poema “Paisagem”, criado por Jaime Rocha na residência literária do encontro Poesia, Um Dia e afixado no exterior da BMJM. 

PUB

PUB

PUB

PUB