Penamacor: Exposição “Grito de Liberdade” inaugurada dia 7 de Maio

A exposição “Grito de Liberdade”, da autoria de Gabriel AV e Pedro Leitão, é inaugurada no dia 7 de maio, pelas 18:00, no Jardim da República, em Penamacor.

  • Cultura
  • Publicado: 2021-05-03
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

Segundo informação a que o Diário Digital Castelo Branco teve acesso, esta mostra realiza-se no âmbito do Festival Primavera na Serra da Malcata e estará patente até ao dia 13 de junho, no mesmo local. “Grito de Liberdade” conta com mais de uma dezena de esculturas de grandes dimensões, concebidas com materiais recolhidos no lixo e tem como objetivo alertar para o impacto positivo da reciclagem no meio ambiente.

 

SINOPSE 

Gabriel AV:

Nasci em 1972. A minha primeira memória é da alegria sentida no dia 25 de Abril de 1974 a gritar a palavra Vitória, erguendo os dedos em V… e as cores intensas que me ficaram gravadas. Desenhar, pintar, observar a fauna eram as minhas brincadeiras preferidas e continuam a ser. Daqui e em contraste, observo-me e à humanidade que me é possível conhecer. Surgem imensas dúvidas, incongruências, sentimentos felizes e fúrias que, mediante o meu trabalho artístico, me possibilitam reconhecer a minha vida, o meu caminho, a minha função no mundo e manter a chama do Amor e a convicção de uma harmonia universal. Viajar para procurar outras culturas, pessoas, artes, natureza, história, encheu-me a alma com sonhos. Fugir de outras culturas, pessoas, destruição, decadência deu-me o conhecimento dos pesadelos. Destas duas forças opostas surge o meu trabalho como ponto de harmonia, que me serve em Esperança e me realiza enquanto artista plástico quando essa esperança chega ao público. Neste tempo de pandemia, na escassez de matéria-prima, no isolamento obrigatório… os imensos tempos de introspeção e observação do mundo, das reações das pessoas, das causas e das consequências geraram sonhos, pesadelos, a esperança, a paz de espírito e o amor. Destas viagens e fugas, surgiram assim as esculturas em reciclagem de materiais presentes na exposição Grito de Liberdade. 

 

Pedro Leitão:

Sou o Pedro Leitão. Nasci em 1972, natural da Aldeia do Carvalho, concelho da Covilhã. Construo esculturas com o lixo, fundamentalmente plásticos, que recolho para servirem de matéria-prima à criação e à arte sob forma de uma obra escultórica urbana. Sou um dos poucos escultores mundiais (a par de Vik Muniz e Bordalo) que usa esta matéria-prima, cada vez mais abundante no planeta, que sofre o desgaste da produção humana. Move-me a criatividade e a emoção da criação e o seu apreço. Move-me a vida simples, o pensamento livre que troco com as pessoas que se cruzam comigo durante o processo de criação e de construção. Move-me o mundo e a sua grandeza, no respeito pelo grande segredo universal da singular existência de tudo o que nos rodeia. Move-me a ação tentada de regredir e os resultados de evoluir. Move-me que os outros saibam que a vida humana serve para nos emocionar e que a emoção existe na contemplação da natureza, no impacto da arte e na paixão, tão ao alcance de cada um.

PUB

PUB

PUB

PUB