PSD realiza as jornadas parlamentares dias 12 e 13 de Setembro no Fundão

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, ao manifestar hoje o apoio da bancada ao Governo e admitindo que o país está na expetativa de “perceber melhor” os cortes anunciados pelo Executivo, anunciou também que as jornadas parlamentares iriam decorrer este ano na cidade do Fundão, distrito de Castelo Branco.

  • Região
  • Publicado: 2011-09-01
  • Autor: Diario Digital Castelo Branco/Lusa

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, manifestou hoje o apoio da bancada ao Governo, admitindo que o país está na expetativa de “perceber melhor” os cortes anunciados pelo Executivo.

“Sabemos que o país está na expetativa para perceber melhor e com mais detalhe como é que esse esforço se vai desenrolar. O Governo não deixará de o fazer. Amanhã mesmo [sexta-feira] o senhor ministro de Estado e das Finanças estará no Parlamento e será mais uma oportunidade de ir concretizando os objetivos e as metas que do lado da despesa o Governo já fixou”, afirmou.

No final da reunião da bancada parlamentar do PSD, que decidiu realizar as jornadas de dias 12 e 13 no Fundão, Castelo Branco, Luís Montenegro disse “registar um grande apoio e solidariedade do grupo ao Governo” face à “necessidade de restabelecer os níveis de confiança e credibilidade no país”. Luís Montenegro disse “estranhar muito” que o PS, “que levou o país a níveis de desemprego recorde” e que “deixou tantas e tantas faturas por pagar”, parece “querer agora sair à rua com um novo fato muito arranjadinho de cara lavada como se nada tivesse a responder perante a situação”.

 

“Nós estranhamos muito isso e esperamos que o PS possa num futuro muito próximo assumir a sua responsabilidade para a resolução dos problemas das pessoas e possa acompanhar o Governo e o PSD no esforço de restabelecimento da credibilidade e da confiança dos portugueses no seu país”, disse.

Quanto aos cortes na despesa social anunciados quarta-feira pelo ministro Vítor Gaspar, Luís Montenegro congratulou-se com “o facto de, na repartição do esforço, um terço diz respeito a receita extraordinária e dois terços dizem respeito a redução na despesa”.

 

PUB

PUB

PUB

PUB