Cultura: Ministério manifesta "grande satisfação" com a demissão do diretor geral das Artes

O Ministério da Cultura manifestou hoje "grande satisfação" pelo facto do diretor geral das Artes ter apresentado a demissão, sublinhando a "ineficácia" e as "dificuldades" de Jorge Barreto Xavier no desempenho do cargo.

  • Cultura
  • Publicado: 2010-07-10 23:07
  • Autor: Diario Digital Castelo Branco/Lusa
O Ministério da Cultura manifestou hoje "grande satisfação" pelo facto do diretor geral das Artes ter apresentado a demissão, sublinhando a "ineficácia" e as "dificuldades" de Jorge Barreto Xavier no desempenho do cargo.

O responsável anunciou hoje à Lusa que pediu a demissão na sexta feira, alegando a sua “divergência sobre o modo de desenvolvimento das políticas de apoio às artes" com a ministra da Cultura.

"O Ministério da Cultura manifesta a sua grande satisfação por esta decisão, que vem permitir finalmente que a Direção Geral das Artes se liberte de constrangimentos vários que têm vindo a dificultar a sua ação", afirma o gabinete da ministra Gabriela Canavilhas, num comunicado divulgado hoje à tarde, anunciando que aceitou a demissão.

A tutela considera ainda que "os atrasos nos concursos, a barreira construída entre o Gabinete da Ministra e os agentes culturais e a ineficácia dos procedimentos são fatores que se devem às dificuldades demonstradas pelo diretor geral para o exercício do cargo".

"A sua intervenção tem sido meramente de aplicação de medidas do Governo, muitas das quais com recurso a contratação externa, por ineficácia da sua liderança", acusa o Ministério da Cultura.

A tutela afirma que o diretor geral das Artes demissionário procurava "outra colocação desde fevereiro" e que apenas não o substituiu para "manter um mínimo de estabilidade" no setor.

"Face à sua demissão, [o Ministério da Cultura] encontra-se agora, finalmente, em condições de alavancar o setor com outra ambição e responsabilidade", lê-se no comunicado.

O gabinete de Gabriela Canavilhas anuncia que já tem um substituto, a anunciar "em breve", garantindo aos agentes culturais com projetos de financiamento em curso que "não haverá quaisquer consequências, atrasos ou prejuízos de procedimentos" decorrentes da substituição.

A demissão de Jorge Barreto Xavier surge numa altura de grande contestação por parte dos artistas e criadores nacionais de várias áreas, sobretudo do cinema, do teatro, da dança e das artes visuais, devido às restrições orçamentais.

Na sequência dos protestos, esta semana, o Governo anunciou que os cortes nos orçamentos para institutos e direções gerais do ministério vão baixar de 20 para 12,5 por cento.

Em reação à demissão, a Associação dos Profissionais de Artes Cénicas considerou-a "preocupante" e a Associação Portuguesa de Realizadores "um ato de solidariedade para com os artistas".

PUB

PUB

PUB

PUB