Governador Civil da Guarda diz que responsáveis servidos pela A 23 "continuam de costas voltadas"

O Governador Civil da Guarda, Santinho Pacheco, lembrou na apresentação da campanha Rodoviária lançada pela Scutvias, que a A23 é importante para o desenvolvimento dos territórios mas que “ainda estamos de costas voltadas uns para os outros”.

  • Região
  • Publicado: 2010-04-29 10:28
  • Por: Nuno Cerdeira
O Governador Civil da Guarda, Santinho Pacheco, lembrou na apresentação da campanha Rodoviária lançada pela Scutvias, que a A23 é importante para o desenvolvimento dos territórios mas que “ainda estamos de costas voltadas uns para os outros”.

Para Santinho Pacheco é “bom que a A23 ajude a aproximar as diferentes regiões” e “não vale a pena pensarem que a A23 tem só um sentido”. Santinho Pacheco referia-se a Carlos Pinto, Presidente da Câmara Municipal da Covilhã, que afirmou, publicamente, a vontade de ter o Hospital Central na Covilhã.

O Governador Civil da Guarda defendeu que há pessoas “com responsabilidades que não deveriam fazer declarações que possa atrasar processos em que estão envolvidos vários distritos” e afirmou que as declarações do visado não se enquadram dentro das suas competências: “está  a pressionar o governo mas há várias entidades, hospitais e distritos envolvidos e não se ouviu as pessoas, assumindo-se uma liderança sem ter competência.
 
Está a menosprezar as outras entidades. Se estava interessado, deveria ter promovido um diálogo. Tem tanta competência legal como o Presidente da Câmara do concelho ao lado”.

PUB

PUB

PUB

PUB